- Notícias, Segurança

Rio Claro avança para instalar a Patrulha Maria da Penha, confirma Seron

Possibilitar às mulheres vítimas de violência, que já contam com medidas protetivas do Judiciário, visitas periódicas da Guarda Municipal. É com este objetivo que muitos municípios do país já instituíram a Patrulha Maria da Penha (PMP). Botucatu lançou o serviço na última sexta-feira, 8/12, que já faz parte do cronograma de trabalho da Guarda de Piracicaba desde maio deste ano.

Na última segunda-feira (11/8), comitiva de Rio Claro formada pelo vereador Ruggero Seron (DEM), também conhecido como Seron do Proerd, e as guardas civis municipais Patrícia e Luciana foram recebidas, em Piracicaba, pela comandante da Guarda Municipal Lucineide Maciel e pela guarda Sônia que atua na Patrulha Maria da Penha daquela cidade. Rio Claro conta com a Lei 5099/17 criada a partir do Projeto de lei aprovado pela Câmara, de autoria de Seron, que estabelece a nova patrulha na estrutura da Guarda Civil Municipal.

De acordo com Lucineide, os estudos para a implantação da nova Patrulha tiveram início em agosto de 2016. Por conta do ano eleitoral, o trabalho foi retomado neste ano. “Solicitamos recurso para a compra de viatura e equipamentos de trabalho ao governo federal através de emenda parlamentar”, explicou a comandante.

Mesmo sem a liberação do recurso, cujo processo tramita em Brasília, a decisão em Piracicaba foi por colocar a Patrulha para funcionar. “Destacamos uma de nossas viaturas, a qual foi adesivada para que as pessoas possam reconhecê-la nas rondas, e formamos uma equipe com oito guardas – quatro mulheres e quatro homens”, detalhou. “É a administração pública agindo dentro dos lares em prol das seguranças das mulheres”, acrescentou.

A guarda municipal Sônia assinala que a ação tem início através da visita feita à vítima de violência. Ela observa que no momento do registro do boletim de ocorrência, a mulher, fragilizada pelo momento, tem dificuldade em fornecer detalhes importantes para que o trabalho a ser executado na seqüência por agentes de segurança.

“Os homens atuam na Patrulha como motoristas e na segurança do local de trabalho. Somente as mulheres da corporação é que conversam com as vítimas”, explicou Sônia ao observar que cada mulher atendida pela Guarda através da Patrulha conta com um prontuário.

Feita a entrevista, comenta a comandante Lucineide, a Patrulha Maria da Penha passa a fazer rondas periódicas em locais como a residência e local de trabalho da vítima bem como nas proximidades das escolas onde os filhos estudam. “As medidas protetivas decretadas pelo Judiciário devem ser cumpridas, essa é a nossa missão”, salienta.

De acordo com a guarda Sônia, o trabalho se torna um pouco mais difícil quando a vítima reside em prédio ou condomínio fechado, no caso do agressor for um irmão ou filho dependente químico. “Mesmo assim, a Patrulha Maria da Penha segue atenta. Nossa ação tem o suporte do Poder Judiciário, Ministério Público e da Polícia Civil através da Delegacia de Defesa da Mulher, a DDM”, pontuou.

O vereador Seron, que atuou 15 anos como policial militar, parabeniza a Guarda Municipal de Piracicaba pelo trabalho que desenvolve, em proteção às mulheres, e externou que a criação da Patrulha Maria da Penha avança em Rio Claro. “Esta ação precisa ser expandida aos municípios o mais rápido possível. É uma forma de diminuir a sensação de insegurança que toma conta das mulheres vítimas de violência bem como dar suporte a ação do Judiciário no que diz respeito às medidas protetivas”, afirmou. “Vamos conversar com o secretário de Segurança Marco Bellagamba e com o comandante da Guarda Civil Municipal Godoy para viabilizar este importante serviço para Rio Claro”, completou o vereador.