- Comunidade, Notícias

Temporada 2019 do FERA tem abertura nesta quinta-feira

Conscientizar pessoas a partir dos 13 anos sobre a importância de se manter distante das drogas lícitas e ilícitas. A partir deste ponto, a Polícia Civil de Rio Claro coordena pelo terceiro ano consecutivo, com apoio da Câmara Municipal através do vereador Geraldo Voluntário (DEM), mais uma edição do Programa Força Especial de Reação Antidrogas, mais conhecido como FERA.

Gláucia Beinotti com o vereador Geraldo Voluntário na Câmara Municipal

A abertura da temporada 2019 vai ser realizada nesta quinta-feira, 4/7, a partir das 19h30, nas dependências do Casarão da Cultura localizado na Rua 7, com a Avenida 3, no Centro. “O evento é aberto ao público. Agradeço à administração municipal que deu sinal verde para a nossa iniciativa o que possibilitou a criação da Lei 5133/17, que instituiu o FERA, bem como os policiais Gláucia Beinotti e Gladson Júnior que atuam como instrutores”, pontua o parlamentar.

Para Geraldo Voluntário, a ação do FERA atende pré-adolescentes e adolescentes em uma fase importante da vida bem como jovens e adultos que estudam nas redes pública e privada de ensino. “A luta contra as drogas tem de ser permanente. Temos vários mecanismos de atuam na conscientização. O FERA é um deles. Previne o acesso a entorpecentes com o objetivo de combater este mal que infelizmente afeta muitas famílias”, sinaliza o vereador ao salientar que a partir deste ano o programa passa contar com apoio do setor empresarial.

A instrutora Gláucia observa que o programa FERA foi construído e alicerçado em necessidades expressas de intervenção operacional preventiva ativa da Polícia Civil em face à crescente criminalidade conexa ao uso, acesso e tráfico de substâncias psicotrópicas, lícitas ou ilícitas.

“Foi desenvolvido o programa apoiado pela Administração. Ele trata de uma ferramenta de resultado imediato e eficaz, e entre diversas motivações há de se ressaltar a tendência global em prevenir que a humanidade se “narcoculturalize”, aceitando viver em uma sociedade dependente de drogas”, completa a policial.